Pesquisa

TV Azinhaga

Seguidores

Visitas

PageRank

Siga-nos por email

Digite seu endereço de e-mail:

Blog Archive

Sites Amigos

31 de março de 2013

Cheias podem agravar-se devido às descargas

As cheias no Tejo deverão agravar-se hoje na sequência de um aumento ligeiro do caudal na zona de Santarém, devido às descargas de barragens espanholas e à precipitação, disse fonte da Protecção Civil distrital.

Proteção Civil dá conta de estradas cortadas em cinco distritos e de duas povoações isoladas pelas cheias.


Cinco distritos do Norte e Centro do país têm este domingo estradas cortadas devido à subida dos caudais de rio e ao deslizamento de terras, isolando as povoações de Reguengos do Alviela, em Santarém, e de Valonguinho, em Viseu.

De acordo com um balanço da Proteção Civil feito até às 09h30, Aveiro, Braga, Coimbra, Viseu e Santarém são os distritos mais afectados este domingo, com destaque para o de Santarém, onde há nove concelhos atingidos.

No distrito de Santarém há estradas cortadas nos concelhos de Constância, Abrantes, Vila Nova da Barquinha, Golegã, Alpiarça, Santarém, Cartaxo, Coruche e Benavente.

No município de Santarém está submersa a EN365 na Ponte do Alviela, a jusante do Pombalinho, isolando a povoação do Reguengo do Alviela.

Está também submersa a EN365 entre Vale de Figueira e Pombalinho na zona de Chões e a EM1345, que liga a Ribeira de Santarém a Vale Figueira, junto à Ponte de Palhais.

Em Constância está submerso o parque de estacionamento de Constância junto ao rio Zêzere, assim como a estrada do Campo, que circunda Constância e liga a Montalvo.

Em Abrantes, está inundada a praia fluvial de Alvega e Casa de apoio e a fonte dos Touros em Rossio ao Sul do Tejo e em Vila Nova da Barquinha verifica-se a submersão parcial do cais de Tancos.

28 de março de 2013

Proteção Civil alerta para cheias no Tejo


A Proteção Civil prevê que até ao final do dia possam ocorrer inundações em Santarém e Vila Nova da Barquinha. Apesar de a barragem do Fratel registar desde as 06h00 de hoje "uma ligeira descida", a proteção Civil de Santarém mantém o "alerta amarelo" para as povoações da bacia do Tejo onde, esta manhã, havia várias zonas submersas.

Contactada pelo CM, fonte da Protecção Civil de Santarém disse ao CM que se prevê uma "ligeira descida" do caudal dos rios durante a tarde de hoje, mas mantém-se o alerta para as zonas ribeirinhas. A povoação de Reguengo de Alviela corre o risco de ficar isolada caso haja uma subida do nível das águas. 

De acordo com um comunicado emitido esta manhã  pela Proteção Civil, encontram-se submersos o parque de estacionamento de Constância junto ao rio Zêzere, campos agrícolas na margem esquerda do Rio Soraia, no concelho de Coruche e, ainda no mesmo concelho as estradas de Ponto do Rebolo, Ponte da Amieira e Estrada das Meias.

Submersa está também a estrada do Campo (EM1456) no concelho de Benavente. "Face à instabilidade da situação meteorológica para os próximos dias, a situação atual deverá manter-se com ligeiras oscilações", informou a proteção civil num comunicado em que prevê que durante o dia de hoje se possam verificar ainda a possível submersão do Cais de Tancos e a inundação da Av. Dos Plátanos, na zona baixa de Vila Nova da Barquinha.

Em Santarém admite-se, até ao final da manhã de hoje, a submersão da EN365 na Ponte do Alviela; da EM Ribeira de Santarém -- Vale Figueira e da EN365 na Ponte do Alviela a jusante do Pombalinho isolando a povoação do Reguengo do Alviela. Para o início da tarde prevê-se a submersão da EN365 em Palhais.

A proteção civil mantém os conselhos para que a população retire das zonas confinantes, normalmente inundáveis, equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e animais e para que não atravessem com viaturas ou a pé estradas ou zonas alagadas.

25 de março de 2013

Gentes de Azinhaga - 18 de Setembro de 1938

A 18 de Setembro de 1938 a Azinhaga tornou-se a Aldeia Mais Portuguesa do Ribatejo nesse dia foram feitas filmagens e retratadas várias fotografias que demonstram a vida Azinhaguense. Na imagem acima, segundo José Gonçalves, este senhor chama-se Jerónimo Melrinho, bisavô paterno de Ana Peralta Gonçalves Melrinho e avô de José Saramago.
______________________________________________________________________
Colaboração fotográfica / texto: Ana Peralta Gonçalves Melrinho e Senhor José Gonçalves
21 de março de 2013

Casamentos de Azinhaga - Anos 50/60


O noivo Sr Joaquim Sanches, mais conhecido pela alcunha “Mudo”, devido ao facto de ser surdo-mudo de nascença, e a sua noiva Dª Helena, atualmente moram em Mato de Miranda
"Lembro-me, quando era pequena, de ele ir ter com o meu avô (José Gonçalves) à loja/café e ficarem conversar. E eu ficava ali a ver aquela conversa silenciosa feita de gestos e sons estranhos. O meu avô entendi-o muito bem. Conta o meu avô que, depois de algum tempo ele teve acesso a um aparelho para os ouvidos. Mas, não aguentando os ruídos que o rodeavam, preferiu manter-se no seu mundo silencioso, nunca usando o tal aparelho." - Ana Peralta Gonçalves Melrinho
_____________________________________________________
Colaboração fotográfica / texto: Ana Peralta Gonçalves Melrinho

20 de março de 2013

Novo percurso de Santiago desagrada a azinhaguenses


O percurso sinalizado pela câmara municipal para integrar o itinerário europeu dos Caminhos de Santiago, não agrada minimamente à população e à autarquia da Azinhaga. Vindo de Santarém, o percurso passa ao lado do Pombalinho e da Azinhaga, onde vai pela antiga Estrada Real até à Broa, numa espécie de circular rural.
O facto é estranho para Vítor Guia, que não acusa o município de querer encaminhar os peregrinos só para a Golegã, prejudicando assim todo o comércio e actividade turística proporcionada pelos caminheiros. Ainda há uma semana, “um grupo de 17 espanhóis seguiam os novos marcos, mas depois, como tinham um GPS que indicava o caminho por dentro da Azinhaga, viraram para lá para ir almoçar, vieram pelo caminho normal”. Atender às necessidades dos peregrinos é uma situação muito habitual na aldeia - segundo o presidente da Junta, até tem aumentado - onde os restaurantes, os cafés e as duas unidades de turismo rural existentes, recebem pessoas durante todo o ano, que ali se alimentam e pernoitam.
O presidente da Junta insiste que todos os guias correntes e sistemas de GPS têm o itinerário por dentro da Azinhaga e observa a mudança agora feita pela Câmara como uma afronta às pessoas e às próprias vivências da aldeia porque, a partir da primavera, “o comércio também vive disso, precisa de grupos de peregrinos a passar”.
 A Câmara não consultou nem comunicou à Junta que estava a preparar e a oficializar um novo troço. Vítor Guia vai intervir na próxima assembleia municipal para colocar em discussão o tema. “É uma falta de respeito, já estamos habituados. A Câmara quis propositadamente prejudicar a freguesia ao encaminhar os caminheiros só para a sede de concelho”.

Proteção civil ativa plano de emergência para cheias no Tejo


A Comissão Distrital de Proteção Civil de Santarém decidiu ativar o Plano Especial de Emergência para Cheias na Bacia do Tejo. A decisão, anunciada esta manhã, surge em consequência da precipitação ocorrida durante os últimos dias, concentrada na bacia do Tejo, que fizeram com que os caudais deste rio e dos seus afluentes tenham vindo a aumentar.

O caudal do rio Sorraia também se encontra ainda a aumentar na zona da vila de Coruche, verificando-se no entanto já uma diminuição nas barragens que o alimentam (Maranhão e Montargil).

A região ribeirinha foi assim colocada no nível de alerta amarelo, sendo que a proteção civil aponta para a submersão do parque de estacionamento de Constância (rio Zêzere); a submersão da Estrada de Meias (Coruche), a submersão da Estrada da Amieira (EM1427) (Coruche) e a submersão da Estrada do Rebolo (Municipal H) (Coruche).

Ainda segundo a proteção civil, de acordo com os caudais observados, pode verificar-se a submersão durante este sábado da EN365, na ponte do Alviela, e a jusante do Pombalinho.

As autoridades recomendam que sejam retirados das zonas confinantes das linhas de água, normalmente inundáveis, equipamentos agrícolas, industriais, viaturas e outros bens; que os animais sejam deslocados para locais seguros; que as pessoas não atravessem, com viaturas ou a pé, estradas ou zonas alagadas; e que se mantenham informados através dos órgãos de comunicação social ou dos agentes de proteção civil, desenvolvendo as ações necessárias para a sua proteção, da família e bens.

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera prevê que a chuva se mantenha pela região até terça-feira, dia 12.

Para hoje a previsão aponta para céu geralmente muito nublado. Aguaceiros, que poderão ser por vezes fortes. Condições favoráveis à ocorrência de trovoada e queda de granizo. Vento fraco a moderado (10 a 25 km/h) de sudoeste, soprando temporariamente moderado (25 a 35 km/h), com rajadas até 65 km/h,
durante a tarde.

In - Noticia de Rede Regional