Pesquisa

TV Azinhaga

Seguidores

Visitas

PageRank

Siga-nos por email

Digite seu endereço de e-mail:

Blog Archive

Sites Amigos

11 de setembro de 2012

Quatro Anos!


Faz hoje 4 anos que começamos a divulgar ao mundo histórias sobre a Azinhaga do Ribatejo e as suas gentes. Ao longo destes quatro anos prestamos especial atenção para a divulgação da cultura Azinhaguense, como:
  • As Festas:
    • Festa do Bodo; 
    • Feira de Maio;
  • As Colectividades:
    • Rancho dos Campinos de Azinhaga; 
    • Banda Filarmónica 1º de Dezembro Azinhaguense;
    • Espetáculos Teatrais; 
    • Futebol
  • O Património:
    • Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição;
    • Capela de São José;
    • Ermida de Nossa Senhora da Piedade;
    • Quinta da Broa; 
    • Capela do Espírito Santo;
    • Ruinas de São Sebastião
    • Capela de São João Baptista da Ventosa. 
Homenageamos os nossas figuras ilustres, José Saramago, Augusto do Souto Barreiro, Francisco Serrão de Faria e Condes de Azinhaga.

Continua-mos em busca de grandes histórias e acontecimentos e em divulgação da Aldeia Mais Portuguesa do Ribatejo.

Ao longo destes quatro anos já tive-mos quase 50.000 (49.100) visitas, e já começamos a trabalhar num novo projeto, a TV Azinhaga, que pode acompanhar no MEO no número 158138, no blogue, ou  através do site www.tvazinhaga.pt.vu.

Agradecemos a sua presença, porque sem si não seria possível a existência do blogue Azinhaga.

"É estilo do cantador | Quando chega do arraial | Perguntar ao seu amor | Se passou bem ou mal | Oh, meu amor, meu amor | Meu amor, meu ai Jesus | No dia em que te não vejo | Nem a candeia dá luz. | Ausenta-se o jardineiro | Fecha-se a porta ao jardim | Foste o meu primeiro amor | Serás meu até ao fim | Vou cercar a Azinhaga | Com vara e meia de fita: | À porta do meu amor | Há-de ser a mais bonita. | Tu não cantes o Fadinho | Que não sabes cantar: | Tem um requebro no meio | Nem todos o sabem dar. | Tenho trezentas navalhas | Quatrocentos canivetes | Oh, cantadeira afamada | Vé lá bem com quem te metes. | Adeus terra d´Azinhaga | Não es vila nem cidade; | És um cantinho do céu | Onde brilha a mocidade." | " Por isso voltei | E vim para cá | Que nunca me dei | Nas bandas de lá | Vira d´Azinhaga | Teu baile me trouxe | No canto que afaga | Na volta mais doce."